Marcas italianas

Lancia - a história da marca de carros italianos

Lancia é um fabricante de automóveis mundialmente famoso de origem italiana, cujo ano de fundação é considerado 1906. Sua principal produção está concentrada no centro cultural e de negócios da Itália, Turim (Turim), aqui também é a sede atual. Atualmente, além de carros, a marca produz todos os tipos de veículos comerciais, ônibus de passageiros e trólebus, bem como equipamentos militares. Desde meados dos anos 50, a Lancia está ativamente envolvida em corridas de carros.

História de ocorrência

Tudo começou com o fato de que em novembro de 1906 em uma cidade do norte da Itália, Turim, um conhecido piloto de carros de corrida Vincenzo Lancia na época, em colaboração com o companheiro Claudio Fogolino, foi fundada uma pequena empresa comercial chamada Fabbrica Automobili Lancia. "

Após um curto período de tempo desde o início da operação, 23 de setembro de 1907, a fábrica lançou sua estréia em sua história modelo de máquina "18-24 HP". O carro recebeu um nome sonoro e memorável - "Alpha".

Depois de mais um ano, em 1908, a fábrica da Fabbrica Automobili Lancia desenvolveu o próximo modelo Dialpha. Tinha um motor de seis cilindros e era uma versão melhorada de seu antecessor, o Alpha.

Então no início de 1913, o próximo carro da marca Lancia - "Theta" entrou no mercado doméstico. Vale ressaltar que foi com esse modelo que a iluminação eletrônica passou a ser instalada em série em todas as máquinas originais da empresa. Em geral, o surgimento de "Theta" foi muito bem recebido por compradores italianos comuns e por críticos de carros eminentes. Ela rapidamente conseguiu se estabelecer como um carro confiável e de alta qualidade.

Desde o início de sua fundação até a eclosão da Primeira Guerra Mundial, a empresa automobilística desenvolveu-se bastante monocromática e estática: novos modelos foram produzidos, mas eles não foram capazes de conquistar toda a arena internacional. Com a eclosão das hostilidades, a liderança da Lancia decidiu prontamente re-qualificar a empresa na direção de um empreendimento militar. Assim, caminhões leves e veículos blindados começaram a ser produzidos nas fábricas da marca. Vale ressaltar que foi nessa época que um grande avanço foi feito no campo da acumulação de potencial intelectual - os engenheiros e mecânicos da empresa conseguiram desenvolver novos motores revolucionários, cujo volume variou de oito a doze cilindros. De certo modo, a Primeira Guerra Mundial foi uma espécie de salvação para a empresa. Então, no final, a área dos territórios industriais da Lancia já ultrapassava 60 mil m².

Em 1921, o público foi apresentado um modelo de automóvel completamente novo, que fez um respingo no mercado de carros daquele tempo. Que foi "Lambda" - o primeiro carro da história da empresa, que teve corpo de apoio e suspensão independente. O modelo foi vendido até 1931.

Após o Lambda, Astura foi libertado. Tornou-se o protótipo de carros em que o sistema patenteado da empresa, combinando uma estrutura e um motor, começou a ser utilizado. Graças a essa inovação, foi possível eliminar vibrações ao dirigir, que antes eram sentidas na cabine.

No final de 1937, o modelo Aprilia saiu da linha de montagem. Ela se tornou a última, na qual o fundador da empresa, Vincenzo Lancia, trabalhou pessoalmente. Vale ressaltar que a apresentação oficial do carro ocorreu após a morte do criador.

Empresa sem Vincenzo Lancia

O criador da empresa automobilística Lancia, Vincenzo Lancia, faleceu em 1937, e o último modelo lançado por ele foi "Aprilia". Foi substituído por um incomum popular na virada dos anos 40-50 do século passado "Aurelia". Sua principal vantagem era um corpo único exclusivo, que foi completamente e completamente projetado na prestigiosa loja de automóveis da época - "Pininfarina".

O designer do carro foi o notório Vittorio Jano. Uma característica fundamental do Aurelia foi a presença de um motor de seis cilindros, que foi acompanhado por um motor em forma de V.

Em 1960, houve uma mudança brusca no conceito temático da marca. Assim, a liderança da Lancia decidiu abandonar seu esquema tradicional, que foi mais claramente refletido no novo modelo de tração dianteira do carro - "Flavia". O designer do carro foi o famoso engenheiro de design italiano, Antonio Fessia (Antonio Fessia). "Flavia" tinha um motor de quatro cilindros, caracterizado pela presença de um motor boxer.

O mais rentável do ponto de vista comercial para a empresa foi em 1969, uma vez que foi nessa época que entrou na grande associação de fabricantes de automóveis de origem italiana, "Fiat".

Em colaboração com a preocupação da Fiat, a marca Lancia lançou um novo carro Beta em 1972. Sua principal inovação foi a introdução em série de motores montados transversalmente, cada um com seu próprio comando de válvulas. Também no mesmo período, foi criado um modelo de um esportivo de corrida - "Stratos". O carro possuía características técnicas de primeira classe, revolucionárias para a época, o que lhe permitiu ganhar a vitória no mundial de rallys internacionais por três anos consecutivos.

Apesar do fato de que o conselho de administração decidiu vender uma participação de controle em favor da preocupação da Fiat, a Lancia não parou de desenvolver modelos e componentes independentemente inovadores. Assim, no âmbito da empresa, foram lançados vários modelos originais de carros exclusivos:

  • Delta;
  • Gama;
  • Beta

Em meados dos anos 80 do século passado, a marca trabalhou de perto e de forma proveitosa com a empresa automotiva "Saab", estabelecendo um programa de afiliados. Graças a esta integração, carros como o Alfa Romeo 164 e Lancia Thema viram a luz do dia.

Membro de corrida de carros

De meados da década de 1950 até os dias de hoje, os carros fabricados sob a marca Lancia foram ativamente representados nas corridas de carros mais prestigiadas e significativas. Em diferentes momentos, os carros esportivos da marca puderam ser vistos nos seguintes eventos:

  1. "Fórmula 1";
  2. "Rally";
  3. "Ring racing".

Participação na "Fórmula 1"

Em 1937, após a morte de Vincenzo Lancia, as rédeas passaram para seu filho, o legítimo herdeiro. Com o novo homem chegando ao poder, as qualificações da Lancia sofreram algumas mudanças significativas. Por exemplo, o papel principal no desenvolvimento de novos modelos começou a desempenhar sua conformidade com os requisitos do automobilismo.

Em 1954, o modelo "D50" saiu da linha de montagem, cujo criador era um engenheiro talentoso, Vittorio Yano. No mesmo ano, o carro tornou-se membro do Grande Prêmio da Espanha e conquistou a pole position. O piloto, Alberto Ascari, que estava dirigindo na época, conseguiu os melhores tempos de volta.

Em 1955, após a morte trágica de Askari, a equipe Lancia teve que deixar a Fórmula 1 devido a problemas financeiros. No total, a marca tem 2 vitórias, além de 10 pódios.

Participação no "Rally"

Campeonato Mundial de Rali - este é precisamente o evento esportivo em que os carros esportivos da Lancia tiveram mais sucesso. Em 1972, a equipe da marca conseguiu até ganhar a prestigiosa competição das montadoras - a vitória foi ganha pelo modelo de máquina "Fulvia".

No total, a empresa conseguiu vencer o Rally dez vezes. As primeiras três vitórias (1974-1976) foram alcançadas em um carro de corrida Stratos especialmente projetado. Em 1983, o piloto conseguiu mostrar o melhor resultado usando o exclusivo carro Rally 037. Vale ressaltar que ele se tornou o único carro da marca que tinha uma unidade de duas rodas. Esta vitória acabou por ser especialmente significativa porque foi capaz de mover o aparentemente indestrutível "Audi Quattro" do pedestal, que não teve uma única derrota desde 1987.

No entanto A história da equipe Lancia participando do Rally Championship tem vários episódios tristes. Então, o dobro dos pilotos sentados ao volante de carros desta marca, estavam em terríveis acidentes.

Em 1985, um concorrente representando o Lancia 037 caiu, incapaz de lidar com os controles. Um ano depois, os membros da equipe, Henri Toivonen e Sergio Croce, foram queimados vivos, voando de uma pista de corrida em um carro.

Em 1992, após uma série de incidentes, a gerência da marca decidiu desistir da corrida de rally.

Participação no "Ring Racing"

No "Ring Racing" empresa de fabricação de automóveis começou a tomar parte ativa no início dos anos 70 do século XX. Então, em 1972, a equipe da marca apresentou o novo carro esportivo Stratos, que se tornou membro do grupo 5. Um ano depois, o mesmo modelo participou de corridas no grupo "4".

"LC1" foi projetada especificamente para o "Ring Race" de 1982, ela se apresentou no grupo 6. No entanto, em 1984, os organizadores das competições de corrida decidiram fechar a sexta categoria e sua posterior transformação no grupo "C". Nesta ocasião, a equipe Lancia desenvolveu um novo modelo do carro "LC2", a marca de que era um poderoso motor, criado com base na Ferrari.

"LC2" conseguiu conquistar a pole position da competição treze vezes, além de triplicar uma brilhante vitória nas corridas.

No entanto em 1986, em uma das reuniões, foi decidido que a Lancia deixaria competições de corrida. Isso foi argumentado pelo fato de que os carros desenvolvidos como parte da marca não podiam mais ser iguais aos modelos da Porsche, também apresentados nas "Ring Races". No entanto, equipes não oficiais da empresa continuaram a participar do evento até 1991.

Lancia delta

O Lancia Delta é um modelo moderno de um carro compacto desenvolvido pela mundialmente famosa empresa de origem italiana Lancia. Sua produção em série foi lançada em 1979 - foi então que a "primeira geração" foi apresentada ao público em geral. Estava em circulação até meados de 1994. No total, a Lancia Delta tem três gerações comercialmente bem sucedidas:

  1. Primeira geração. A estréia de apresentação dos carros ocorreu em 1979, durante o Salão Internacional do Automóvel de Frankfurt (Salone Internazionale dell'Automobile di Francoforte). O modelo “Delta” era um hatchback de cinco portas, cuja aparência foi trabalhada em detalhes por um talentoso designer de carros italiano, Giorgetto Giugiaro (Giorgetto Giugiaro).
    Os carros desta geração eram representantes do segmento "B".
  2. Segunda geração. Os carros da segunda geração receberam o nome sonoro "Nuova Delta". Sua apresentação oficial foi realizada em 1993. Os carros foram desenvolvidos com base no já popular e procurado Fiat Tipo. Vale ressaltar que, durante a criação, a ênfase estava no lado do conforto e conveniência, e não no lado da esportividade.
  3. Terceira geração. A moderna terceira geração "Delta" lançou a produção em massa em 2008. A apresentação dos carros ao público foi realizada no Salão Automóvel de Genebra (Salone di Ginevra). Como características técnicas distintivas, pode-se distinguir: motores a gasolina e diesel potentes (de 120 a 150 cv e de 200 cv, respectivamente), um sistema twin-turbo. Os carros são capazes de velocidades de até 190 km / h. A terceira geração é um representante do segmento "C".

Vale ressaltar que o modelo de automóvel "Lancia Delta" ganhou fama mundial graças à sua participação em prestigiadas competições de rally. No entanto, à medida que se desenvolve e melhora, passou de uma certa esportividade para conforto e conveniência. Atualmente, este carro é considerado um dos mais populares no mercado moderno.

Loading...

Publicações Populares

Categoria Marcas italianas, Próximo Artigo

Kinder Surpresa (Kinder Sorpresa)
Marcas italianas

Kinder Surpresa (Kinder Sorpresa)

Kinder Surpresa (Kinder Sorpresa) é um chocolate mundialmente famoso, que em sua aparência se assemelha a um ovo de galinha. Dentro dos doces é uma pequena caixa de plástico que contém um brinquedo original ou uma lembrança. Atualmente, a marca Kinder é de propriedade de uma grande empresa italiana, Ferrero, especializada na fabricação de chocolate e confeitaria.
Leia Mais
Fendi
Marcas italianas

Fendi

A Fendi é uma das mais famosas casas de moda italianas, especializada na produção de acessórios, itens de guarda-roupa, cosméticos, perfumes, bem como em couros e peles genuínos. Quem ficou nas origens? A história da marca remonta a 1918, quando a aspirante a empreendedora, Adele Casagrande, teve a ideia de abrir a sua própria loja, vendendo atributos de guarda-roupa de couro e peles.
Leia Mais
Casadei
Marcas italianas

Casadei

Casadei é uma marca de calçados italiana mundialmente famosa que conseguiu se tornar uma espécie de símbolo de coragem e extravagância. Os produtos produzidos pela marca pertencem à classe de luxo, são de alta qualidade e conveniência. Sapatos Casadei e sandálias são famosos por seu design atraente e cores muito brilhantes.
Leia Mais
Sapatos falsos italianos: marcas de sapatos pseudo-italianos
Marcas italianas

Sapatos falsos italianos: marcas de sapatos pseudo-italianos

As empresas pseudo-italianas são empresas que vendem produtos nacionais, chineses ou turcos para venda sob o disfarce de italianos. Eles são freqüentemente chamados de "marcas de lobisomens", "pseudo-marcas" e "falsas". Nos sites oficiais de tais empresas, via de regra, ou são postadas informações falsas sobre o local e horário de sua fundação, ou não há dados exatos sobre o verdadeiro país de origem dos bens oferecidos.
Leia Mais